A tecnologia na luta contra o novo coronavírus

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Por Artur Orlandini

O uso de tecnologias como Big Data, Inteligência Artificial e mapas de calor com base em geolocalização se tornaram fundamentais na luta contra o novo coronavírus. Todas essas tecnologias, por definição, utilizam o processamento e armazenamento de um grande volume de dados estruturados e não estruturados para funcionar, ou seja, o grande volume de informações – a Big Data, é um pilar fundamental para essas tecnologias.
Em março, a Coreia do Sul liderou no combate ao Covid-19 quando utilizou um sistema de GPS integrado aos smartphones da população. A estratégia do governo sul-coreano era testar ostensivamente a população e, com base nos resultados positivos, mapear onde essa pessoa esteve e notificar quem frequentou os mesmos estabelecimentos que o infectado.

Na América Latina, essa estratégia foi adotada em alguns lugares, como o Governo Federal do México, Guatemala, Peru e Argentina. No Brasil, as Prefeituras de Curitiba e Salvador e o Governo Estadual do Rio de Janeiro também adotaram. 

Todas essas administrações públicas dividiram a ação em três etapas. A primeira se consiste em categorizar o comportamento de risco das pessoas através de Big Data. Em seguida, alertas de conscientização foram enviados por meio de SMS. Por fim, os resultados foram avaliados. Para ter esses dados de maneira exata, foi utilizada uma plataforma de geolocalização mobile que analisa o perfil de consumo e comportamento de um grupo de pessoas de forma anônima.

O público que essa campanha buscava era pessoas com mais de 60 anos, que além de ser grupo de risco para a Covid-19, eram mais resistentes ao isolamento social. Os municípios, através da tecnologia de Big Data e geolocalização, criaram mapas de calor com o os bairros com a maior concentração de idosos e, por meio de inteligência artificial, começaram a notificar os os idosos que sempre se afastavam de suas residências.

Em um mês de campanha, 8 milhões de pessoas foram impactadas na América Latina durante a quarentena e, sobretudo, houve dados positivos sobre isso. Cerca de 21% do público impactado mudou seu comportamento durante o período de isolamento social. Além disso, comparado à regiões em que não houve a campanha, a população que recebeu o SMS teve, em média, 37% mais adesão ao distanciamento social do que as pessoas que não receberam.

O uso responsável da Big Data e da Inteligência Artificial salvou vidas durante a pandemia da Covid-19, através da conscientização da população e do apoio dos governantes.

Entre em contato conosco e nos acompanhe nas redes sociais:

SonnerNews

SonnerNews

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Obrigado pelo seu cadastro!

Em breve você receberá nosso conteúdo
no e-mail cadastrado!